Seguidores

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Sobre a real tragédia do povo.

12 de Janeiro de 2010, Rio de Janeiro - Por Vanderlei Almeida


Administração pública precária, ocupações em locais de risco, crescimento desordenado da população, intensificação no crescimento de favelas e fatores próprios das ciências geográficas são predicados imanentes do ciclo de enchentes e deslizamentos na região Sudeste do país. Pela TV o sofrimento é patente e irrevogável, famílias soterradas, planos, presentes, futuros e a sensação imediata do telespectador é de um tipo particular de horror, não daqueles que paralisa o corpo diante da tragédia constituída na imagem, nas pás e na correnteza de lama que anuncia mais um episódio descalabro para o país. No entanto, esse horror petrifica a alma, confere a muitos dos que acompanham de longe a miséria do povo brasileiro, a sensação de que os ambientalistas têm razão ao proclamar alto suas oratórias quanto às alterações que o homem tem imputado a natureza. Outros são mais radicais, práticos, usam da má fé para acreditar no que inventam e se apressam em dizer o seguinte: o povo constrói em qualquer lugar, só pode dar nisso.
12 de Janeiro de 2010, Rio de Janeiro - Por Vanderlei Almeida
Apesar de o governo Lula ter sido marcado por uma série de reformas sociais, o que inclue os programas habitacionais e o auxílio financeiro para famílias carentes, a miséria que ainda engloba milhões de brasileiros perpetua-se além dos limites graciosos da teoria e dos rostos felizes da propaganda eleitoral. O povo tem sede, o povo tem fome, o povo quer casa. E quem tem sede, bebe, quem tem fome, come, pra isso é necessário ter dinheiro, para ter dinheiro é preciso trabalhar; contudo, como obter um espaço no mercado de trabalho se não existe um sistema educacional edificado para preparar trabalhadores qualificados?Reitero, o povo quer casa – bem, se Maria Antonieta fosse brasileira ordinariamente diria: manda o povo ir morar no morro. Por debaixo da terra, por trás da tela da TV, existe uma bola de neve colossal, intacta sob a égide da falência da administração pública, à medida que ela cresce no país tropical e abandonado por Deus o povo morre, pede socorro e quer sair do morro, ao contrário do que Zé Keti defende ao cantar “Opnião”. O povo está pertinho do inferno.


O papel da mídia repete-se. Chove, a terra desliza, as mortes são contabilizadas e os termos não mudam. Tragédia, tragédia, tragédia. Melhor seria se o lema fosse: miséria, miséria, miséria. Pois a tragédia sempre esteve diante dos olhos atentos de um observador mediano, mas constantemente longe das lentes das câmeras das emissoras que disputam entre si o melhor furo de reportagem. A tragédia a qual se referem com tanto pesar esteve todo o tempo imóvel, concentrada e alarmante no mesmo local, anunciando o episódio funesto para os dias de chuva. Para os que ali viviam restava esperar, esperar e esperar, pois que dificilmente poderiam arcar com o custo de proteger a própria vida num outro local onde os riscos iam desde a bala perdida até males menores que esse.O povo quer, não obstante, querer não é poder, é o dito popular.O que seria o poder senão uma completa ausência de significados práticos para o povo?O povo tem poder?


Há um ano o Brasil mais uma vez esteve atônito diante de acontecimentos similares no Morro do Bumba e em Angra dos Reis. De qualquer sorte, isso é apenas parte de uma problemática que cresce como um câncer consumindo um organismo inteiro com sua metástase aparentemente indelével, o organismo desfalecido é o nosso país – que chora, chove e mata chorando. Quando abrir os chamados na TV para efetuar doações para salvar o povo carioca e paulista, ao sentir um movimento estranho em seus pensamentos e um gosto azedo nos lábios ao vislumbrar colaborar com qualquer mini fortuna, não estranhe, ao perceber seus conterrâneos afogando-se num mar de desgraças e percebe-se ali como uma possível vítima de um futuro que se apresenta pra nós quase sempre como incerto, não estranhe mais uma vez. O receio que traz consigo, guardado no bolso, no peito ou na alma, é o que te lembra que o demônio que lhe causa tais maus agouros é o mesmo responsável pelo caráter hediondo de tanta desventura em todo e qualquer canto país. Exceto nas altas cúpulas da burguesia brasileira, onde chove, mas não alaga, onde há fome e pão, sede e água perrier, aqui mesmo: a nova Europa – a real tragédia brasileira.



10 comentários:

  1. Putz, a tragédia foi feia mesmo hem =/

    ResponderExcluir
  2. Pois é, todo o ano é a mesma coisa e nada muda.

    ResponderExcluir
  3. muito triste isso ver que todo ano tudo só faz piorar e nada é feito...
    quando vi as cenas parecia estar vendo um filme de ficção, mas as vidas que foram levadas estavam lá para provar que foi real...

    ResponderExcluir
  4. essas tragedias sao cada vez mais frequentes
    mas a culpa nao eh da natureza e sim nossa culpa

    ResponderExcluir
  5. iMarty Turbo,

    você sequer leu o texto e não sabe do que está falando.

    ResponderExcluir
  6. esse problema não termina, só muda de lugar. E a cada dia ais pessoas morrem pq ninguém faz nada: a pessoa escolhe viver em um lugar de risco sem pensar nas conseqüências e o governo fica quieto, ignorando o problema.
    Ai quando acontece a tragedia (ja premeditada) o governo tapa com peneira e acha que resolveu.

    ResponderExcluir
  7. cara, ninguém tem culpa de nada
    isso foi ação da natureza e pronto!



    http://www.diariodagarotadevariasfaces.blogspot.com/
    sigo quem me segue eretribuo comentários

    ResponderExcluir
  8. A galera não perde a oportunidade de ganhar dinheiro às custas do sofrimento do outro. Pois hoje fomos ao banco e ao tirar um extrato, o papel imprimiu os seguintes dizeres:
    Ajude às vitimas de tal tal tal, depositando qualquer quantia em dinheiro no número tal tal tal... que palhaçada!!!
    Dinheiro pra quem? Roupa pra quem??? Alimentos pra quem?????????? Burocracia desgraçada!!!

    O comentário do amigo acima muito me indigna: "ninguém tem culpa de nada". A natureza tem culpa então???? A culpada é a natureza, ou o santo da chuva, sei lá o que?? "Ahhh, mas eu garanto que eu num tenho culpa, nem moro lá..."
    Ouço a mídia também falando sobre a intensidade das chuvas, chego a dar risadaaaaa daqueles que acreditam no que eles dizem...fazem uma dramaturgia por trás e os ignorantes ficam vidradossss da TV esperando por notícias...
    Sempreeeee choveu a mesma quantidade no período de janeiro, que é o tempo de chuva na região sudeste, o problema é que antes tinha muito mais terra que absorvia toda a água, agora o que há? Concreto!!! E mais concreto que impede a absorção de toda essa água...
    E a galera num aprende, continua jogando na rua sofá, mesa, cadeira, televisão, garrafa, lata, copos, papel de bala....e ninguém tem culpa!!!! Afinal de contas, se não fosse esse povo legal, o que seria dos catadores de lixo não é mesmo?!?!?!?!

    ResponderExcluir
  9. Tem um selinho pra vc nesse link http://daqueelejeito.blogspot.com/2011/01/mais-um-selo.html#comments
    Beijos e Parabéns :*

    ResponderExcluir
  10. Falta de planejamento + pobreza + raiva da natureza = Tragédia. Infelizmente os politicos só se preocupam em encher o bolso de grana, e quem pena todo dia pra ganhar um salario minimo acaba se ferrando

    "Belo" post, parabéns

    ResponderExcluir

Se não leu, não comenta bobagem certo?
Obrigado o/