Seguidores

sábado, 31 de julho de 2010

O princípio das coisas



Definitivamente, eu não sou o que tenho, não consigo (graças ao bom senso) viver em favor de acessórios, bugigangas, títulos inúteis preenchendo uma aspiração vaga e válida apenas para gente medíocre, vazia. Eu não sou meu celular, meu apartamento, a roupa que visto, o meu valor ainda não pende a quantidade de seguidores no twitter e nem irá, se quisesse uma legião de fãs não estaria cursando direito; corria para os palcos o quanto antes e me arriscava na música ou arquitetava uma igreja nova, se você souber o que dizer para preencher esse vazio interpessoal gerado e generalizado para quem "nunca pode", doutrinar não vai ser lá uma das tarefas mais complicadas.
Eu quero culpar o capitalismo, se você acabou de pensar na palavra "clichê" e que é bem mais fácil seguir essa assertiva, acertou!Não vou ser tão audacioso a ponto de querer medir e justificar essa característica execrável de alguns, ante desse princípio o máximo que farei é dividir isso com meus leitores mais próximos.
Às vezes a diferença externa entre a primeira e segunda pessoa, está na marca da calça usada por elas, apenas, a última nem se sabe que diabos projetaram a existência, enquanto aquela é conceitual, fina, de marca, grife importante da alta burguesia. O descompasso, porém, pode afetar a barriga e não é através de um desarranjo gástrico, mas pelo fato de que enquanto um come, o outro passa fome, enquanto um se queixa da acne num consultório dermatológico, outro apodrece junto com todas as chagas do corpo no meio da rua, se pra uns Deus é amor, existe e acolhe, para tantos outros e outras, ele permanece num resquício católico de esperança próprio do subdesenvolvimento.
Eis que surge a arma de fogo, mão de ferro disciplinadora do Estado, até que caiu sob a custódia do primeiro homem franzino e insatisfeito nivelando o rico e o pobre, o cristão e o herege, o bom e o ruim, o estampido do projétil pôs todo gênero num mesmo prisma onde  o poder pertence a quem puxa o gatilho primeiro, não há meio termo. Eu não via o mundo mudar dessa forma, já nasci sob a eminência dos fatos acompanhando as diferenças que minha ótica permite alcançar.
Dessa máxima conclui-se o seguinte caro leitor, o oprimido é uma figura efêmera e possivelmente será o opressor de amanhã, em qual lado você se equilibra melhor ?

10 comentários:

  1. Já eu sou tudo o que tenho da luta e da conquista e não faço doce quando eu não tenho. Acho que a sociedade em si não sabe se equilibrar..estamos todos caindo.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Texto bem complexo e ao mesmo tempo muito esclarecedor. Em que lado eu me equilibro melhor? Realmente não sei te responder. Concordo com Letícia Fiorotto: estamos todos caindo.
    Estamos todos poluídos pelos bens materiais e pelas pessoas que praticam o mal.


    Parabéns pelo blog ;D

    ResponderExcluir
  4. Quem muito assiste TV, com certeza [ toda regra tem suas excessão ], mas com certeza faz grande diferença entre um rico e um pobre.

    Na vida real, a gente vê que eles são gente como a gente, em mundo diferentes, e no final, tudo é igual. AUSDUASHDHUAS!

    ResponderExcluir
  5. texto bem trabalhado, tema muito interessante eu gostei!parabens!

    ResponderExcluir
  6. Oi, adorei seu post. Realmente hj em dia as pessoas dão mais valor a coisas materiais, o mundo ve nessas coisas o essencial para se viver. E como vc diz, a razão principal é o capitalismo. Mas creio eu que o mais importante nisso tudo é a felicidade de todos, independente do que gostam, se usam isso ou aquilo, seja feliz da maneira que achar melhor lutando sempre pra que um equilíbrio aconteça.

    ResponderExcluir
  7. gostei do post
    bem interessante
    gostei da forma q foi escrito

    ResponderExcluir
  8. eu amei o teu blog, não só por esta postagem, mas por outras em que dei uma conferida. além disso, layout que chamou mt a minha atenção, ele por sí só já expressa uma mensagem significante!
    qto à postagem, tu expressou algo q eu grito todos os dias, andei mal nos últimos meses devido a isso, a essa minha indignação por nossa sociedade, sem saber qual a melhor forma de agir, escrevi esse texto: http://lauramarzullo.blogspot.com/2010/07/mais-uma-contra-copa.html

    espero q tu esteja sempre por aqui com o blog, sempre expressando o que é real em nosso país,parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Às vezes eu me culpo por ser um pouco consumista, mas nosso mundo hoje faz com que certas coisas sejam necessárias como, por exemplo, nosso computador. Agora claro que existem pessoas muito fúteis e que se acham por que estão usando um jeans de marca que no final é a mesma bosta que um de 50 reais. Mas se a gente parar para pensar, a mídia hoje sustenta e é sustentada pelo consumismo, todo hora inventam um aparelho novo e o que você acabou de comprar já está obsoleto. Mas essa é a dinâmica do nosso sistema. Mas em minha nova cidade, eu ainda não me acostumei e nunca me acostumarei a ver crianças e idosos, principalmente, passando fome. Uma coisa é você ver isso na TV, outra é ver na sua frente.

    O blog está ótimo como sempre. Abraço.


    Ps.: Está fazendo qual curso?

    ResponderExcluir
  10. Achei o seu texto muito bem escrito.
    Em que lado eu estou? não sei, só sei que não devemos ser medidos, pelo que temos, mas sim pelo que somos.
    ;*

    ResponderExcluir

Se não leu, não comenta bobagem certo?
Obrigado o/